sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Mais um ano que se passa, mais um ano sem você: 31 anos sem Henfil


É comum em datas de anos de morte de entes queridos próximos ficarmos saudosos.Pois assim tambem se dá em termos de celebridades.No meu caso, todo começo de ano se dá a mesma coisa, afinal o dia quatro de janeiro de 1988 foi a data de passagem do cartunista Henfil.

Geralmente desopilo tecendo algum movimento que resgate a importancia de sua trajetória. Seja fazendo algum desenho em sua homenagem, como no ano passado,seja escrevendo acerca de algum recorte de sua vasta obra. Ou mesmo tentando pautar a midia acerca da importancia da data. Tudo no sentido de manter um compromisso que tenho comigo mesmo: levar o legado de Henfil ao maximo de pessoas.

Porém, nesse sentido nada se compara ao ano de 2008, que tomado por esse sentimento de perda referente à sua morte me desembestei a escrever um livro sobre a contribuicao politica do cartunista, que resultou em "Henfil: o humor subversivo".

Desde entao nunca mais parei de produzir acerca de seu legado. Já se vao inúmeros artigos,entrevistas e palestras. Alem de uma tese de doutorado, que  resultou em um segundo livro, intitulado "Diretas Jaz".

Quando relembramos de alguém vem à cabeca uma situação específica, algum acontecimento fortuito, uma cena engraçada.No que corresponde ao Henfil só consigo pensar em uma coisa: na importância de defendermos a democracia. Pronto, falei. E aí está a minha contribuicao desse ano, se é que me entendem?